sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Nao discuto com o destino, o que vier eu assino (Leminski)

   


é engraçado como  a ilusão de controle sobre a vida toma conta  de nossa razão de forma tão irracional. Meio contraditório isto né? como é que algo tão irracional pode ter um lugar tão grande dentro da racionalidade humana? O Fato é que conheci pouquissimas pessoas  que realmente vivem a vida com a certeza do nao controle, em geral achamos que controlamos nossos passos.

A esta altura da vida já devia ter me dado conta que o destino é mais criativo do que imaginamos, e bem diferente de nossos planos.  Desde pequena faço projetos e me prometo atitudes que são simplesmente irrealizáveis, pois  a vida vem toma conta e muda tudo de forma quase oposta daquilo que eu havia me prometido. 


Pelo  menos uma coisa aprendi: quando a vida muda tudo e vira nossos planos de ponta cabeça,  aceito e não remo contra a maré! Então que venha !


O destino baralha as cartas, e nós jogamos. ( Arthur Schopenhauer) 

Nao discuto com o destino, o que vier eu assino (Leminski)

2 comentários:

Ricardo garopaba Blauth disse...

alo LIA

saber encontrar naturalidade
onde e quando aparecem
é maturidade
é sabedoria
deixar surgir momentos
e deles tirar razões

ricardo garopaba blauth

Martín disse...

isso que é o trampolim!