quarta-feira, 22 de junho de 2011

para onde vai o amor quando ele acaba ?

Quando era pequena sempre me diziam que existia o “ mundo do beleléu” e lá os guarda –chuvas, as canetas, os elásticos e fivelas de cabelo iam parar. Existia um mundo que cabia tudo isto ! e podíamos procurar, procurar e nada destas coisas voltarem... elas estavam lá bem escondidas e tínhamos que nos contentar em adquirir novos elásticos, guarda-chuvas, canetas e etc... Hoje pensei, será que é para este mundo que vai o amor quando ele acaba ? E uma amiga logo me perguntou: Será que existe o beleléu interno? Imagino que sim, é para lá que vai todos os amores que passaram ? ficam lá, existentes, porém guardados, escondidos?

7 comentários:

Anônimo disse...

o nosso mundo do beleléu interno é um buraco negro :-)

Henrique Schucman disse...

A ULTIMA DESCOBERTA SOBRE OS BURACOS NEGROS É QUE PARA SAIR DE LÁ , SÓ VIRANDO LUZ !

Sethico disse...

o de verdade não acaba, bem...

Anônimo disse...

O Henrique 'e muito Sabio! ... agora fiquei aqui pensando.. sera que estas pessoas que desistiram de comer e "se alimentam apenas de luz" se nutrem de verdade eh atraves desta luz interna ai, das coisas que ficam dentro do beleleu? =0
Lila

Lara disse...

Pode ser o momento ...mas Cartola me cai muito bem ..
Acho que está mais para MOINHO do que "buraco negro""

A vida é um moinho....

..."Preste atenção, querida
De cada amor tu herdarás só o cinismo" ...
Cartola

ארינה disse...

Eu acho que o amor se desfaz, se desintegra. Nem vai para o mundo do beleléu, porque de tanto elástico, guarda-chuva, óculos escuros (tem vários meus lá) não sobra lugar pra coisas inúteis do tipo amor que morreu.

Natália Pesciotta disse...

Lia,
Gostei de conhecer e passear pelo seu blog.
Essa pergunta que não está no almanaque me lembrou uma crônica do Paulo Mendes Campos, O Amor Acaba, que talvez tenha uma indicação para a resposta. Não sei se você conhece, mas acho que no fim ele imagina algo diferente, tipo um moto contínuo do amor:

"uma carta que chegou depois, o amor acaba; uma carta que chegou antes, e o amor acaba; na descontrolada fantasia da libido; às vezes acaba na mesma música que começou, com o mesmo drinque, diante dos mesmos cisnes; e muitas vezes acaba em ouro e diamante, dispersado entre astros; e acaba nas encruzilhadas de Paris, Londres, Nova Iorque (...); em todos os lugares o amor acaba; a qualquer hora o amor acaba; por qualquer motivo o amor acaba; para recomeçar em todos os lugares e a qualquer minuto o amor acaba."

De certa forma talvez seja um pouco mais bonito... Mas, na verdade, eu acredito mais no buraco-negro particular, mesmo.